Alimentação e Treinamento

Por: Marcelo Benjamin de Viveiros.

Introdução à Moderna Ciência do Treinamento Desportivo.

Send to Kindle


Resumo

alimentação, como valorização do treinamento, representa assunto a que se deverá dar toda a atenção, uma vez que é ponto de apoio essencia no esquema de apur<? da forma física. O esforço que se despende não só na fase de preparação, como durante a execução de uma prova, exige base alimentar sólida, de vez que a desgaste aumenta na proporção da sua intensidade. Da mesma maneira que comparamos a economia interna da utilização alimentar à de um motor de maquina, ao qual fornecemos o combustível para sua movimentação, não seria todo descabido comparar o esforço diário do homem ao do automóvel comum; e ao de um automóvel de corridas, o esforço de atleta que se prepara ou participa de uma prova. Assim como o motor de um carro de corridas é construído e adaptado especialmente, visando aumentar a velocidade que dele se espera, com a utilização de combustível de altas octanas, do mesmo modo a alimentação do desportista em fase de treinamento deve ser reforçada, também com vistas ao rendimento que se deseja e à produção acrescida.

Nada é pior, também neste caro, do que o empirismo e a aplicação do "ouvi-dizer". À conta da inexperiência ou da presunção ignorante de supostos técnicos ou "soi-disants" especialistas, deveremos levar muito insucesso. Neste particular, dever-se-ão incluir os regimes de aumento ou diminuição de pêso para inclusão dentro de classe de competição, ou para complementar o preparo físico. 

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.