Alimentação Vegana e Treinamento de Força: Possíveis Contribuições Para a Composição Corporal e o Perfil Bioquímico

Por: Valeska Peruffo.

DO CORPO: ciências e artes - v.5 - n.1 - 2015

Send to Kindle


Resumo


O objetivo deste estudo é verificar as possíveis contribuições do treinamento de força para acomposição corporal e o perfil bioquímico de um sujeito adepto da dieta vegana. Trata-se de estudo decaso, tendo como amostra um sujeito do sexo feminino, de 31 anos de idade, praticante de treinamento deforça e adepto da dieta vegana. A participante foi submetida a um período de 20 semanas de treinamentode força, realizado quatro vezes por semana, com oito a dez exercícios para vários segmentos corporais,sendo três séries de 12 repetições cada. A análise dos dados foi realizada através da avaliação das dobrascutâneas, circunferência da cintura e do quadril para a obtenção dos valores do Índice de Relação Cintura-Quadril, perímetros corporais, exames bioquímicos e Teste de 1 RM, todos esses pré e pós-período detreinos. Os resultados obtidos constataram redução nos níveis de todas as lipoproteínas plasmáticas e dosvalores das séries hematológicas, com exceção do hematócrito, que apresentou pequena elevação. Emrelação aos perímetros, esses apresentaram redução nas medidas da cintura, do abdome e quadril eaumento das circunferências do tórax, dos braços, das coxas e panturrilhas. Houve alteração positiva nacomposição corporal e melhora relativa no ganho de força. Baseando-se nos resultados descritos,concluiu-se que a dieta vegana pode atender às demandas nutricionais quanto às necessidades para aprática de treinamento de força desde que seja bem-equilibrada.
 

Endereço: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/docorpo/article/view/4005

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.