Atrofia Muscular Esquelética e Modelos Experimentais: Apoptose e Alterações Histológicas, Bioquímicas e Metabólicas

Por: .

Revista da Educação Física - UEM - v.18 - n.2 - 2007

Send to Kindle


.Resumo

A atrofia muscular esquelética tem-se constituído, nos últimos anos, como objeto de investigação pelo fato de se encontrar associada a várias patologias. No entanto, os mecanismos subjacentes às alterações morfológicas, bioquímicas e funcionais induzidas por esta entidade anatomopatológica permanecem, ainda, por esclarecer. Efetivamente, têm sido recentemente apresentadas algumas hipóteses, salientando-se as alterações no turnover proteico, no padrão de expressão das isoformas da miosina de cadeia pesada e na preponderância das vias metabólicas activadas. Adicionalmente, quer a diminuição do número de mionúcleos, quer a redução do domínio nuclear, parecem ser fenômenos que acompanham o desenvolvimento da resposta trófica. Neste sentido, vários estudos experimentais sugerem que a apoptose parece ter uma função importante na regulação destes acontecimentos. Dada a relevância e implicação clínica da atrofia muscular na capacidade funcional e, conseqüentemente, na qualidade de vida do ser humano, torna-se fundamental compreender de forma detalhada este processo.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3320/2390

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.