Basquetebol – Década de 1970 em Diante

Por: Carlos Roberto Tinoco Silva, Paulo Roberto Tinoco Silva e Reinaldo Conceição Cruz.

Atlas do Esporte do Maranhão.

Send to Kindle


Período de 1969 a 1971

- Pedro Neiva de Santana assume o Governo do Estado do Maranhão; seu filho, Jaime Manoel Tavares Neiva de Santana – Jaime Santana – é destacado desportista, [da Geração de 53], atleta de basquetebol e voleibol;

- Cláudio Vaz dos Santos – [o Cláudio Alemão, líder da Geração de 53] – assume o Departamento de Educação Física, Esportos e Recreação - DEFER -, [a convite de Jaime de Santana, então secretário de governo de seu pai, Governador do Estado];

- José Alberto Belfort de Moraes Rego [Geografia] assume a presidência da Federação Maranhense de Basquetebol;

- Joaquim Itapary [outro jovem da Geração de 53] assume a Superintendência de Desenvolvimento do Maranhão – SUDEMA;

- chega ao Maranhão o técnico Francisco Cunha – o Chico Mineiro, com uma história vendedora no basquetebol nordestino – trazido pelo Governo, através da SUDEMA, para dirigir a Seleção Maranhense Adulta Masculina, que iria disputar o Campeonato Brasileiro da categoria, em Porto Alegre-RS; Chico traz junto jogadores oriundos do basquetebol paraense: Nelson Maves, Pelé, Cabeça [mais tarde, vai ser diretor da ETFPA] e Cláudio Dias; que juntos com os maranhenses vão representar o Estado no Campeonato Brasileiro Adulto; dentre outros, enfrentaram o quinteto paulista formado pela geração bicampeã mundial, Wlamir, Amaury, Rosa Branca, Sucar, Ubiratan, etc.;

- Chico Cunha também dirige a Seleção Juvenil, no Campeonato da categoria realizado na Bahia – Gafanhoto, Hermínio, Ricardo Murad, Elisaldo, Moura, Zena Nina, Zé Costa...;

- chegam ao Maranhão os irmãos Paulo e Carlos Tinoco, vindos do Pará; o pai, oficial da Aeronáutica, fora transferido para são Luís, vindo assumir a Secretaria de Segurança Pública e o Departamento Estadual de Trânsito, no final do Governo Sarney; os irmãos eram atletas de voleibol e basquetebol, além de praticarem outras modalidades – natação, atletismo, judô, tênis de mesa;

- chega ao Maranhão o cearense Dirceu Costa Lima, oficial do Exército, que passa a dirigir as seleções maranhenses masculinas de basquetebol, além de jogar pela mesma na categoria adulta;

- o Prof. Dimas – Antônio Maria Zacharias Bezerra de Araújo - assiste aos Jogos Escolares Brasileiros – JEBs – de Belo Horizonte, convidado pelo também maranhense Ary Façanha de Sá; ao voltar de Belo Horizonte, apresenta seu relatório ao então recém-nomeado diretor do DEFER, Cláudio Vaz dos Santos; desses Jogos, Dimas volta apaixonado pelo Handebol e pela Ginástica Olímpica, e é considerado seu introdutor e maior incentivador no Estado;

 

 

 

Período de 1971 a 1973

- começa uma nova fase do esporte maranhense; é criada a Coordenação de Desportos, sob o comando de Cláudio Vaz dos Santos; são criadas as “Escolinhas de Esportes” no Ginásio Costa Rodrigues [iniciativa de Cláudio Vaz dos Santos, assessorado por Dimas]; eram professores dessas escolinhas, além de Dimas (Ginástica Olímpica e Handebol); Cel. Alves (Voleibol e Basquetebol); Prof. Rinaldi Maia (Basquetebol e Futebol); Profa. Dagmar (Basquetebol); Profa. Zezé;

- é realizado o I FEJ – Festival Esportivo da Juventude -, em São Luís [a partir do terceiro, e por analogia com os JEBs, muda o nome para Jogos Escolares Maranhenses – JEMs]; os FEJ tiveram duas edições, com o Colégio de São Luís como campeão geral; dentre outras modalidades, foi campeão de voleibol e basquetebol, tendo os irmãos Tinoco (Paulo e Carlos) e os irmãos Leite como atletas em várias modalidades, além das duas;

- chega ao Maranhão Dagoberto Taranto, carioca de Olaria, subúrbio do Rio de Janeiro, onde dirigia o time do mesmo nome; junto o técnico Heleno, que dirigiu a Seleção Maranhense juvenil no Campeonato Brasileiro da categoria, realizado em Fortaleza-CE;

- O Maranhão vai participar pela primeira vez dos Jogos Escolares Brasileiros – JEBs -, realizados em Maceió-AL, no mês de julho;

- a Seleção Maranhense Feminina é formada por alunas provenientes das Escolinhas da modalidade, dirigidas pelos Professores Cel. Alves e Dagmar; essa seleção foi dirigida por Sérgio Schicchet, paranaense chegado ao Maranhão para trabalhar com Basquetebol; dirigiu a seleção maranhense no Campeonato Brasileiro realizado em Maringá-PR e no JEBs de Brasília, em 1973; essas seleções contaram com: Ivone, Telma, Fátima, Rosangela, Venina, Rosa, Cleuse, Fátima Diniz, Lúcia Pereira;

- esse ano (73) foi o último de Carlos Tinoco como atleta; a partir do ano seguinte passa a dirigir as seleções de basquetebol femininas do Estado;

- forma-se pelas mãos do Prof. Luis Gonzaga Braga, da Escola Técnica Federal do Maranhão – ETFM, hoje CEFET-MA – [um dos criadores dos JEBEI e JEBEM] a melhor equipe de Basquetebol Masculino estudantil que o Maranhão já teve: Gafanhoto; Binga; Carlos Tinoco; Paulo Tinoco; Hermínio Nina; Raul Goulart; Albino; Elinaldo Baldez; Elinaldo Magrão; Nogueira; Sultão; Zé Costa, dentre outros; essa equipe foi dirigida, em 74, nos Jogos Brasileiros do Ensino Médio [JEBEM – Natal-RN] por Dirceu Lima, e sagraram-se vice-campeões brasileiros; em 75, dirigida por Sérgio Schicchet, nos jogos de Campos RJ foram campeões brasileiros, em uma final eletrizante contra a equipe de São Paulo, que tinha em sua equipe jogadores da seleção brasileira das categorias afins; esta equipe, montada em 73, ficou invicta regionalmente durante quatro anos, dirigida pelo Prof. Furtado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1974 em diante

 

Basquetebol Masculino

 - com o desenvolvimento das práticas esportivas, dos Jogos Escolares maranhenses e o investimento dos colégios na prática das diversas modalidades esportivas, o Basquetebol maranhense alcançou um grande impulso, o que gerou o aparecimento de grandes equipes:

- Seleção Maranhense masculina - com Tentativa, Ulisses, Paulo, Hermílio, Alfinete, Carlos, Antonio, Zeca, Albino, Murilo, Eduardo, Binga -, campeões da Zonal Norte e depois sexto lugar no Brasileiro;

- (Seleção Maranhense Juvenil Masculina – Carlos, Ricardo, Binga, Almir, Airton, Murilo, Alexandre, etc.) – em uma final da Zonal Norte, disputada em Belém-Pa, contra os donos da casa;

- a equipe da ETFM – Paulo, Carlos, Hermínio, Zeca, Gafanhoto, Albino, Binga, Elinaldo Baldez, Reinaldo Beleleu Cruz, Elinaldo Magrão, Nogueira, Sultão, etc. -, vice-campeões brasileiros (74) e campeões brasileiros (75), nos Jogos Escolares do Ensino Médio – JEBEM-;

- equipes como a dos Maristas – Edgar, Alvanir, Airton, Charles, Alexandre, Aristeu, Mario, Leonardo, Egeu, Silvino, Santana, Ferreirinha, Evandro Sarney Neto, etc. -; outras equipes formadas nos colégios Batista, Zoe Cerveira; base das diversas seleções estaduais, sejam estudantis, sejam dos campeonatos federados; [observa-se no Basquete, como em outras modalidades esportivas, que a base do esporte maranhense era o estudantil, com muitas equipes de escolas vestindo as camisas de equipes tradicionais – MAC, Moto, Sampaio, Ferroviário, e mesmo de clubes esportivos e recreativos, como Lítero e Jaguarema e ainda, do esporte classista, como A.A. Alumar e Mirante];

DÉCADA DE 80 - [após as décadas de 50 a 60, da geração de 53; e a década de 70, da geração JEMs e da geração de ouro da ETFM] destacam-se as equipes do colégio Meng – dirigida por Carlos Tinoco (Murilo, Leandro, Fernando, Eduardo, Zé Paulo, Chiquinho, Jovino, Celso, Mariano, etc.), pela equipe da ETFM/CEFET-MA, dirigida por Reinaldo Conceição da Cruz – Beleleu –(Gersão, Gersinho, Espirro, Negão, etc.); e Dom Bosco;

- [Carlos Tinoco ressalta que neste período pós-geração de ouro da ETFM, apenas as duas equipes – Meng (dirigida por Carlos e depois o Dom Bosco) e ETFM (dirigida por Beleleu) – se destacaram; depois disso, as gerações masculinas passaram por um grande hiato de resultados expressivos, talvez por falta de investimentos por parte das equipes – escolares ou federadas – e, principalmente, pela parada prematura dos componentes das gerações de ouro – 50/60 e 70 – ocasionando uma falta de “espelho” as gerações posteriores – entressafra?];

 

Basquetebol Feminino

- o Basquetebol feminino pode ser dividido em dois períodos bem distintos; o primeiro, o da iniciação, das escolinhas e das primeiras seleções que começam a disputar fora do estado [período anterior, 1969 a 1973]; em 1974, Paulo Tinoco assume as equipes femininas, e dá uma nova dimensão à categoria, tratando de expandir os locais de prática [para além das escolinhas do Costa Rodrigues], ao mesmo tempo em que procura aumentar o número de técnicos em atuação; começa a convidar jovens estudantes de diversos colégios que se destacam por seu biótipo e “jeito” (olhômetro) que andavam pela Rua Grande – verdadeira passarela dos estudantes, da época, como os shoppings centers de hoje – alunas do Santa Teresa, Maristas, Liceu, São Luís, Rosa castro, Zoe Cerveira, etc., e mesmo de colégios mais afastados – Batista, São Vicente, CEMA, Gonçalves Dias, etc.-, sempre davam um jeito de comparecer à passarela da Rua Grande; da geração anterior, menos de 10% foi aproveitada; e a partir daí passou a ser formada a base da primeira das gerações que viriam a seguir;

- quanto aos técnicos; Paulo fazia uma clínica com duração de 30 dias de iniciação/massificação em determinado colégio e convidava um atleta e/ou ex-atleta para continuar o trabalho como assistente [seguindo os exemplos da Ginástica Olímpica (Dimas) e do Handebol (Laércio)]; à época, dirigia as equipes do Colégio dos Maristas; foi assim como a equipe do Santa Teresa (Hermílio Nina); Rosa Castro (Antonio Carioca); São Vicente (Alfinete e Tentativa); no Liceu, nãolembra quem ficou;

- dessa forma, aumentou o número de praticantes e técnicos, massificando a modalidade e daí surgiram os talentos, naturalmente; essas atletas que se destacam, eram convocadas para as seleções permanentes, da modalidade, com treinamento o ano todo no Ginásio Costa Rodrigues, dirigidos por Paulo e alguns assistentes;

- depois dos Maristas, Paulo foi para o Meng, levando Josemar Prazeres como assistente; no Batista, seus assistentes foram Mauricio, no Masculino (filho de Dimas) e Betinho, no Feminino, sendo os dois efetivados como técnicos, com a ida de Paulo Tinoco para a Seleção Brasileira (Mundial da Coréia, 1979) e para a Prudentina, de São Paulo;

- João de Sousa Bezerra foi seu melhor assistente, destacando-se como técnico do Liceu Maranhense e dos Maristas, quando efetivado;

1974 JEBs – São Paulo – campeão do torneio consolação – 9º. Lugar no geral;

- Campeonato Brasileiro Juvenil – Natal-RN – 6º. Colocado

1975 Zonal Norte Juvenil – Belém-Pa, Campeão.

- Zonal Norte Adulto – Belém-Pa, campeão.

- JEBs – Brasília – 3º. Lugar

- geração de Fátima Diniz, Rosangela, Venina, Silvana, Roud, Zezé, Roud, Antonia Amélia, Janete, etc.

1976JEBs – Porto Alegre-RS – 6º. Lugar

1977 JEBs – Brasília-DF, 4º. Lugar

- Campeonato Brasileiro Juvenil Feminino – Cornélio Procópio-PR – vice-campeão

1978 JEBs – Aracajú-SE – vice-campeão

- geração de Antonia Amélia, Silvana, Roud, Raquel, Rosanina, Rosemary, Teresa Sousa, Janete, Elizabeth, Rosanira Martins. Fátima,Roselia,Ana Luiza,Paula,etc.,

1979 JEBs – Brasília-DF, 2º. Lugar

- Campeonato Brasileiro Juvenil – 3º. Lugar

- Campeonato Brasileiro Adulto Feminino – São Luís-MA – vice-campeão; final com São Paulo, que contava com Paula, Hortência, Vânia, Suzete, Cristina Punko, etc. – técnico: Barbosa; pelo Maranhão jogaram Roud, Raquel, Silvana, Rosemeire, Ionete, Paula, Teresa Sousa, Elizabeth (Neneca), Antonia Amélia, Rosanira Brito, tec. Paulão;

DÉCADAS DE 80 E 90 – nesses vinte anos, o Basquetebol feminino do Maranhão manteve-se entre as quatro melhores equipes do Brasil, obtendo todos os títulos regionais de todas as categorias disputadas; nas competições nacionais, era a quarta força em algumas categorias, e conquistando a terceira colocação nos Brasileiros Infanto-Juvenil feminino disputado em Recife-PE, e Itanhaém-Sp;

- surgiam atletas de grande talento, principalmente nas equipes dos colégios Meng, Dom Bosco, Batista e ETFM/CEFET, nos clubes A. D. Mirante, Grêmio “8 de Maio”, e Lítero [que tinham por base as equipes escolares dos colégios citados]: Meng/Dom Bosco - Karla, Alcides ia, Silvia, Conceição, Lucia, Mayara, Fernanda, Rita, Cristiane, Acanula, Fabriny, Rosane, Cristiana; do Batista: Daniele, Genilce, Jarle, Ametista, Isiane, etc.; do CEFET: Conceição (Ceiça), Carmen Veras;

- Isiane mudou-se para São Paulo e, três anos após sua transferência, foi convocada para a seleção brasileira; convocadas para a seleção brasileira foram também: Silvana, Rosemary, Roud, Raquel, Paula, Benedita (Benê, hoje em Bacabal), e Daniele; as duas ultimas foram convocadas para o sul-americano de cadetes (infanto-juvenil), partindo diretamente de São Luísa, sem passar por estágio em São Paulo;

- a A.D. Mirante, dirigida por Paulo Tinoco foi terceira colocada na Taça Brasil Adulto Feminino, realizado no Paraná; campeã – Minercal de Hortência; Vice: UNIMEP, de Paula; o Maranhão contou com Benê, Alcidira, Carmen, Ceiça, Sidalina, etc.;

-no final da década de 80 e início da de 90, houve grande queda de resultados; a Federação tinha na presidência Hermílio Nina, e depois Eduardo Macieira, nesse período alguns resultados, dentre os quais o de campeão brasileiros da segunda divisão;

ANOS 90 – somente no final desta década e inicio do novo século começam a aparecer algumas equipes masculinas de destaque –[no esporte estudantil...] -, como a do Dom Bosco, 14 anos campeão dos JEMs, dirigida por Carlos Tinoco. 

 

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.