Corpo, Arte e História

Por: Maria Bernardete Ramos Flores e Sigrid Nora.

DO CORPO: ciências e artes - v.1 - n.2 - 2012

Send to Kindle


.Resumo

O artigo tece analogias entre dança e corpo para pensar que a “natureza” doprimeiro termo (dança), como fluxo reescrito na tensão entre tempo e espaço, é o quemelhor fala do segundo (corpo), como artifício, intensidade, passagem, fluxo. Tanto adança, celebração de mistérios, como o corpo, celebração de devires (não apenas ocorpo do bailarino, onipresença efêmera, mas o corpo vivente), só se permitemapreender pelo conhecimento, numa pulsão narrativa, que deixe de fora a perspectivaorganicista. Para estudar o corpo dançante, é preciso tomá-lo em sua performanceefêmera. Sua dramaturgia forma um texto a ser lido. A história tem mostrado quediferentes visões de mundo produzem diferentes formas de interpretar, de representar ede atuar com o corpo, e que as identidades são instáveis, sempre transitórias e atémúltiplas, como explicam os diversos autores aqui abordados.

Endereço: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/docorpo/article/view/2311

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.