Efeitos Agudos do Exercício de Força com Restrição do Fluxo Sanguíneo Sobre o índice de Resistência Arterial

Por: Alex Lazzari Dornelles, Clodoaldo Antônio de Sá, Eduardo Simões da Matta, Sabrina Lencina Bonorino, Sedinei Lopes Copatti e Vanessa da Silva Corralo.

Journal Of Physical Education - v.31 - n.1 - 2020

Send to Kindle


.Resumo

O presente estudo objetivou avaliar o comportamento agudo do índice de resistência da artéria braquial (IRAB) e da artéria poplítea (IRAP) em resposta a exercícios de força de baixa intensidade envolvendo pequenos (PGM) e grandes grupos musculares (GGM), realizado com e sem restrição de fluxo sanguíneo. Onze homens (idade 23 ± 3,29 anos) realizaram um experimento randomizado, cruzado, com quatro braços: Exercício para pequenos grupos musculares (PGM), pequenos grupos musculares com restrição de fluxo sanguíneo (PGM+RFS), grandes grupos musculares (GGM) e grandes grupos musculares com  restrição de fluxo sanguíneo (GGM+RFS). O comportamento de IRAB e IRAP foi avaliado em repouso, mediatamente após o exercício, e aos 15 e 30 minutos da recuperação. A análise dos dados mostrou uma redução significativa do IRAB do repouso para o pós-exercício apenas nos protocolos de PGM com ou sem RFS (p <0,05). Protocolos envolvendo GGM, independentemente do BFR, não afetaram o IRAP (p> 0,05), porém, foram eficientes para promover aumentos significativos do IRAB (p <0,05) imediatamente após o exercício. Nossos achados indicam que os exercícios envolvendo PGM, independentemente da BFR, são capazes de promover a vasodilatação local (artéria braquial), porém, sem efeitos sistêmicos. Nenhum dos protocolos analisados afetou o comportamento do IRAP.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/45840

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.