Hoje Vai Ter Espetáculo!!! a Arte Circense Como Opção de Lazer Para Alunos em Uma Escola das águas do Pantanal

Por: , e Rogério Zaim-de-melo.

Corpoconsciência - v.25 - n.1 - 2021

Send to Kindle


Resumo

O frio na barriga durante uma acrobacia, o riso fácil após um gracejo do palhaço, sensações que se confundem com a própria história da humanidade, configura o circo como uma das formas mais antigas de entretenimento. No universo do lazer, a arte circense encontra-se na categoria interesses artísticos, que agrega tanto o fazer a arte, quanto contemplá-la. O presente artigo tem o objetivo de relatar a experiência de levar apresentações circenses à alunos de uma “Escola das Águas” do Pantanal Sul-mato-grossense. Ao longo do ano de 2019 foram realizadas visitas periódicas a uma das escolas, com a realização de pequenos números circenses como acrobacias, acrobacias aéreas, palhaçaria e, equilibrismo, ampliando o repertório artístico/cultural das crianças que ali estudavam.

Referências

BAHIA, Mirleide Chaar; BRITO, Ronivaldo dos Santos. O lazer do brasileiro: como é vivenciado o tempo. In: STOPPA, Edmur Antonio; ISAYAMA, Helder Ferreira (Orgs.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas, SP: Autores Associados, 2017.

BROZAS POLO, M. P. Fundamentos de las actividades gimnásticas y acrobáticas. Léon: Universidad, Secretariado de Publicaciones y Medios Audiovisuales, 2004.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. O que é lazer. São Paulo: Brasiliense, 1986.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.

______. A revolução do tempo livre. São Paulo: Stuido Nobel – SESC, 1994.

DUPRAT, Rodrigo Mallet. Realidades e particularidades da formação do profissional circense no Brasil: rumo a uma formação técnica e superior. 2014. 365f. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2014.

ECOA. Caderno do Professor. Campo Grande, MS: Gráfica Mundial, 2017.

FEDEC – Fédération Européenne des Écoles de Cirque Professionnelles. Répertoire des centres de formation aux arts du cirque – Europe et au-delà. Projet Miroir FEDEC, 2009. Disponível em: <http://www.fedec.eu/fr/articles/187-miroir01---partie-2-repertoire-des-centres-de-formation-aux-arts-du-cirque-2009>. Acesso em: 10 jan. 2021.

HOSHINO, Camila. Pedagogia da alternância garante educação de crianças no campo. Lunetas, 2018. Disponível: <https://lunetas.com.br/pedagogia-da-alternancia-garante-educacao-de-criancas-no-campo/#:~:text=A%20pedagogia%20da%20altern%C3%A2ncia%20possui,o%20v%C3%ADnculo%20com%20a%20ro%C3%A7a>. Acesso em: 31 mar. 2020.

HOTIER, Hugues. Um cirque pour l’education. Paris: L’Harmattan, 2001.

INSTITUTO ACAIA, Relatório anual 2018. São Paulo: Acaia, 2018.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. O (velho e bom) caderno de campo. Sexta-feira, n. 1, p. 8-11, 1997.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Estudos do lazer: uma introdução. 3. ed. São Paulo: Autores Associados, 2002.

______. Lazer e cultura. Campinas, SP: Alínea, 2007.

______. Lazer e sociedade: algumas aproximações. In: MARCELLINO, Nelson Carvalho (Org.). Lazer e sociedade: múltiplas relações. Campinas: Alínea, 2008.

MELO, Victor Andrade de; ALVES JÚNIOR, Edmundo Drummond. Introdução ao lazer. Barueri, SP: Manole, 2003.

______. Arte e lazer: desafios para romper o abismo. In: MELO, Victor Andrade de. Conteúdos culturais. In: GOMES, Christianne Luce. Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2004.

PEDRÃO, Cinthia Casimiro; UVINHA, Ricardo Ricci. O lazer do brasileiro: discussão dos dados coletados em escolaridade, renda, classes sociais e cor/raça. In: STOPPA, Edmur Antonio; ISAYAMA, Helder Ferreira (OrgS.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas, SP: Autores Associados, 2017.

PINTO, Leila Mirtes Santos de Magalhães. Formação de educadores e educadoras para o lazer: saberes e competências. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 22, n. 3, p. 53-71, mai., 2001.

RODRIGUES, Fabrício César da Costa. O uso doméstico da água em comunidades ribeirinhas: diagnóstico das comunidades dos Furos Conceição e Samaúma na Ilha das Onças, Estado do Pará. 2017. 62f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia). Universidade Federal do Pará, Belém, PA, 2017.

SCHERER, Elenise Faria. Modos de vida ribeirinha na Amazônia. Manaus, AM, 2010.

SOUTTO, Sarah Teixeira Soutto; ISAYAMA, Hélder Ferreira. O lazer do brasileiro: sexo, estado civil e escolaridade. STOPPA, Edmur Antonio; ISAYAMA, Helder Ferreira (Orgs.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas, SP: Autores Associados, 2017.

ZAIM-DE-MELO, Rogério. Jogar e brincar de crianças pantaneiras: um estudo em uma “Escola das Águas”. Rio de Janeiro, 2017. 141p. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

ZAIM-DE-MELO, Rogério; DUARTE, Rosália Maria; SAMBUGARI, Márcia Regina do Nascimento. Jogar e brincar de crianças pantaneiras: um estudo em uma “escola das águas”. Pro-Posições, v. 31, e20180052, 2020.

Endereço: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/11875

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.