Influência Parental no Esporte: Uma Revisão da Psicologia do Esporte

Por: , Fernando de Lima Fabris e Kauan Galvão Morão.

Lecturas: Educación Física y Deportes - v.25 - n.272 - 2021

Send to Kindle


.Resumo

Diversos são os aspectos que envolvem a prática esportiva, como as regras, a interação com outros participantes, o ambiente, os materiais utilizados, em muitos a torcida que está presente e o foco da pesquisa, que é a influência dos pais e familiares. Este último responsável por fazer parte do primeiro contexto social de nossas vidas, considerando tanto para o cenário esportivo quanto o social. Desta forma o trabalho buscou em publicações científicas identificar os fatores de interferência externa na prática de atividades esportivas, principalmente na relação parental. Foi utilizado o percurso de pesquisa bibliográfica, sendo desenvolvido por material já elaborado, como livros e artigos científicos, adotando-se do caráter qualitativo para análise e reflexão dos dados, prezou-se pela seleção e análise de trabalhos na língua portuguesa e língua inglesa. Através da análise dos dados foi possível destacar os principais fatores emocionais e psicológicos que envolvem o relacionamento entre pais e atletas, discutindo o papel da psicologia do esporte, rendimento esportivo e a sua prática, apontando as principais alternativas que melhoram essa relação parental no esporte. Portando foi possível aumentar os níveis de compreensão para os diversos aspectos psicológicos de influência externa que podem interferência no comportamento durante a prática de atividades esportivas e também em sociedade.

Referências

Brustad, R.J. (1993). Youth in Sport: Psychological Considerations. Handbook of Research on Sport Psychology. In: R. N. Singer, M. Murphey, L. K. Tenant, Handbook of research on sport psychology. New York. Macmillan Publishing Company, p. 695-717.

Danioni, F., Barni, D., & Rosnati, R. (2017). Transmitting sport values: the importance of parental involvement in children’s sport activity. Europe’s Journal of Psychology, 13(1), 75-92. Recuperado de: https://doi.org/10.5964/ejop.v13i1.1265

Delevatti, R. S., Pertile, R. S., & Delevatti, V. dos S. F. (2020). A escolha da posição no futebol: influência de pais, treinador e mídia. Biomotriz, 14(2), 48-58. Recuperado de: https://doi.org/10.33053/biomotriz.v14i2.29

Fabris, F.L. (2017). Rendimento esportivo na perspectiva da psicologia do esporte: influências da família. 32 f. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura - Educação Física) - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro). Recuperado de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/156359

Fédération Internationale de Médecine Sportive (1998). Posicionamento oficial. A inatividade física aumenta os fatores de risco para a saúde e a capacidade física. Rev Bras Med Esporte, Niterói, 4(2), 69-70, Apr. Recuperado de: https://dx.doi.org/10.1590/S1517-86921998000200005

Figueiredo, S.H. (2000). Variáveis que interferem no desempenho do atleta de alto rendimento. In: K. Rubio (Org.) Psicologia do esporte: interfaces, pesquisa e intervenção. p. 113-124. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fonseca, G.M.M., & Stella E.S. (2015). Família e Esporte: A influência parental sobre a participação dos filhos no futsal competitivo. Revista Kinesis, 2(33), 41-60. Recuperado de: https://periodicos.ufsm.br/kinesis/article/view/20723

Gastaldo, É. (2009). "O país do futebol" mediatizado: mídia e Copa do Mundo no Brasil. Sociologias, Porto Alegre, 22, p. 353-369. Recuperado de: https://seer.ufrgs.br/sociologias/article/view/9651

Gil, A.C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social (4ª Ed.). São Paulo: Atlas.

Gonzalez, J.F. (2004). Sistema de classificação de esportes com base nos critérios: cooperação, interação com o adversário, ambiente, desempenho comparado e objetivos táticos da ação. Lecturas: Educación Física y Deportes. Buenos Aires, 10(71). Recuperado de: https://www.efdeportes.com/efd71/esportes.htm.

Hellstadt, J.C. (2005). Invisible Players: A Family Systems Model. In: S. M. Murphy, Sport Psychology Interventions. Champaign, IL: Human Kinetics, p. 117-146. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/j.csm.2005.06.001

Hilton, G. (2015). A prática de esporte no Brasil. Ministério Nacional do Esporte. Recuperado de: http://www.esporte.gov.br/diesporte/2.html

Lima, I.D. (2016). Com Super Bowl, evento mais valioso do mundo, NFL busca projeção global. São Paulo: Folha de S. Paulo. Recuperado de: https://goo.gl/nYFhct

Machado, A.A. (1997). Psicologia do esporte: temas emergentes. Jundiaí: Ápice.

Machado, A.A. (1998). Interferência da torcida na ansiedade e agressividade de atletas adolescentes. 186 f. Tese (livre-docência) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Instituto de Biociências de Rio Claro. Recuperado de: http://hdl.handle.net/11449/116110

Machado, A.A. (2008). Especialização esportiva precoce: perspectiva atuais da psicologia esporte. Jundiaí, SP: Fontoura.

Machado, A.A. (2014). A Educação Física e a Psicologia do Esporte em jogo: resultados da Copa do Mundo, o que temos com isso? Revista Brasileira de Psicologia Aplicada ao Esporte e à Motricidade Humana, 4(1), 17-22.

Machado, A.A. (2014). Psicologia do Esporte, Desenvolvimento Humano e Tecnologias: o que e como estudar. Jundiaí: Fontoura.

Machado, A.A., & Gomes, R. (2011). Psicologia do Esporte: da escola à competição (1ª ed.). Jundiaí: Fontoura.

Nerland, E., & Sather, S.A. (2016). Norwegian football academy players-players self assessed competence, perfectionism, goal orientations and motivational climate. Sport Mont, 14(2), 7–11. Recuperado de: http://www.sportmont.ucg.ac.me/?sekcija=article&artid=1338

Proni, M.W. (1998). Esporte espetáculo e futebol. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física. Campinas, SP: [s. n.].

Rampazzo, L. (2013). Metodologia científica para alunos dos cursos de graduação e pós-graduação (7ª ed.). São Paulo: Loyola.

Reis, C., Ferreira, M., & Moraes, L. (2016). O apoio dos pais ao desenvolvimento da carreira de atletas masculinos de basquetebol. Rev. bras. ciênc. esporte, 38(2), 149-155. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/j.rbce.2015.10.007

Souza, L.V., & Barreto, M.R.M.C. (2017). Estado Emocional: Conceituando o emocional e como este interfere na aprendizagem do sujeito. Rev. Brasileira de Assuntos Interdisciplinares – REBAI. 1(1). Recuperado de: http://faesf.com.br/revista-interdisciplinar-faesf/index.php/Revista_Faesf/issue/download/3/36

Thomas, J.R., & Nelson, J.K. (2002). Métodos de pesquisa em atividade física (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Verardi, C.E.L., & De Marco, A. (2007). Emoção e Esporte: As Relações entre Pais e Filhos numa Experiência com o Futebol. Revista da Educação Física, 18, 435-438.

Weinberg, R.S., & Gould, D. (2017). Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício (6ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Endereço: https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/1652

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.