Ou Isso ou Aquilo

Por: .

Blog do CEV - 2021

Send to Kindle


Escolher é uma ato que implica em frustração. Isso porque a escolha de algo ou alguém implica, automaticamente, em deixar de ter uma delas. É a saída do egocentrismo infantil para o mundo adulto.

O mais fácil, inegavelmente, seria ter tudo. Coisas, pessoas, cenas, mas a vida nos obriga a decidir diante de possibilidades. E aí começa a arte de ser humano. Negociar, conceder, lutar pelo que se acha justo, digno e honesto.

É certo que algumas escolhas independem de nossas possibilidades. E nesse momento valem os princípios que desenvolvemos ao longo da vida no que se refere ao certo e ao errado. E por mais que se deseje algo a reflexão e o julgamento, propriedades essenciais aos seres humanos, nos permitem decidir entre as muitas opções e escolher. Diante de uma decisão difícil, sempre duvido de quem me brinda com uma resposta de que não há escolha. Normalmente essa frase é proferida por quem não quer tomar uma decisão ou a decisão necessária não é lá muito agradável.

Faltam pouco mais de dois meses para os Jogos Olímpicos de Tóquio, edição já adiada por um ano. O adiamento não se dá por capricho de líderes olímpicos e japoneses, mas porque estamos vivendo uma pandemia sem precedentes, algo que se assemelha a uma guerra.

Diferentes formas de se viver estão sendo testadas ao longo desses meses. O esporte, como outras produções sociais, tem buscado sobreviver promovendo as chamadas bolhas, com o isolamento dos envolvidos, durante as competições.

Essa semana ouvi de um atleta olímpico sua experiência em um campeonato classificatório. Todos os atletas foram do aeroporto para o hotel e de lá só saiam para treinar e competir. Ele só conheceu seus adversários no momento da competição. No hotel só era possível sair do quarto para pegar as refeições. Nem tomar sol era possível.

Ou seja, todos os ideias de congraçamento, união e troca de experiências sociais, valores inalienáveis dos Jogos Olímpicos, serão preteridos em nome da competição. Competição que pode não ter índices nem recordes justamente pela falta de naturalidade com que será realizada.

Não bastasse isso, a comunidade japonesa se mostra cada vez menos disposta a correr o risco de ver o vírus se multiplicar em seu território. Diante daquilo que está sendo chamado de 4ª onda, o sindicato nacional dos médicos japoneses solicitou que os Jogos Olímpicos sejam cancelados. Alegam que a competição poderia espalhar novas cepas de covid-19, mesmo com as medidas de segurança que serão adotadas. Os casos de contaminação nas bolhas provam isso. Por mais seguro que seja o protocolo, existir significa a possibilidade de se contaminar.

Todas as pessoas envolvidas querem os Jogos Olímpicos. Esperamos 4 anos pela oportunidade de assistir aos melhores atletas do mundo desafiarem os limites humanos. Esses feitos encantam e provam muito mais do que habilidade motora.

Do ponto de vista dos atletas sabe-se que 4 anos é muito tempo e a incerteza sobre uma segunda chance de competir é imensa. Some-se a isso a possibilidade única dos caratecas que participarão como exibição, assim como foi o hóquei sobre patins em Barcelona, para nunca mais voltar ao programa olímpico.

E voltamos então à questão do escolher. Como escreveu Cecília Meireles em seu poema “Ou isso ou aquilo” é uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo em dois lugares. Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranquilo. Ou isto ou aquilo: ou isso ou aquilo... e vivo escolhendo o dia inteiro!

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.