Pelo Direito de Torcer: das Torcidas Gays aos Movimentos de Torcedores Contrários ao Machismo e à Homofobia no Futebol

Por: Mauricio Rodrigues Pinto.

126 páginas. 2018 22/02/2018

Send to Kindle


Resumo

Em um contexto caracterizado pela exacerbação da masculinidade, no qual a homofobia e a misoginia são reiteradas e, muitas vezes, naturalizadas, com o propósito também de demarcar seres abjetos por não se adequarem a essa norma, o presente trabalho estuda a trajetória de grupos e de movimentos de torcedores cujos discursos e performance vão na contramão da ideia de que o futebol brasileiro é um jogo pra machos, reduto de homens cisgêneros e heterossexuais. Tal exercício tem como propósito analisar as ações de grupos, que por meio de sua ação política em diferentes períodos históricos, reivindicaram o direito de torcer pelas pessoas LGBT e mulheres, desestabilizando, assim, a norma regulatória baseada em um modelo de masculinidade hegemônica. Para isso, serão estudadas as torcidas gays do final da década de 1970, como a Coligay (torcida do Grêmio Foot Ball Porto Alegrense) e a Fla-Gay (torcida do Clube de Regatas Flamengo), que surgem em meio ao regime militar brasileiro, e os movimentos de torcedorxs contemporâneos contrários à homofobia e à misoginia no futebol brasileiro, que constroem a sua visibilidade principalmente por meio do site de rede social Facebook: Galo Queer (formada por torcedorxs do Clube Atlético Mineiro), Bambi Tricolor (que reúne torcedorxs do São Paulo Futebol Clube), Palmeiras Livre (coletivo de torcedorxs da Sociedade Esportiva Palmeiras) e Movimento Toda Poderosa Corinthiana (coletivo de torcedoras do Sport Club Corinthians Paulista)

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/100/100134/tde-12032018-205408/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.