Perfil da Aptidão Aeróbica e Potência Muscular de Atletas da Seleção Paralímpica Brasileira de Futebol de Cinco

Por: Andressa da Silva, Edilson A. da Rocha, Eduardo da Silva Alves, João Paulo Pereira Rosa, Junior Gavea, e Valdir de Aquino Lemos.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.33 - n.3 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Nosso objetivo foi traçar o perfil da aptidão aeróbica e potência muscular de atletas de futebol de cinco na Seleção Paralímpica Brasileira. A amostra foi composta por 12 atletas paralímpicos do time de futebol de cinco da seleção brasileira, incluindo três goleiros com visão e nove jogadores cegos (categoria B1). Os resultados foram: pico de captação de oxigênio (VO 2 pico), 51,8 ± 5,8 ml / kg / min; velocidade máxima, 17,1 ± 1,4 km / he VO 2limiar ventilatório (TV), 40,2 ± 6,5 ml / kg / min Os valores de pico de torque (Nm) das pernas direita e esquerda foram 241 ± 48 e 234 ± 45 para extensão de 60 °, 127 ± 17 e 123 ± 16 para 60 ° flexão, 170 ± 29 e 162 ± 28 para extensão de 180 °, 113 ± 13 e 109 ± 13 para flexão de 180 °, 130 ± 20 e 129 ± 23 para extensão de 300 ° e 118 ± 17 e 115 ± 18 para flexão de 300 ° , respectivamente. Os cinco jogadores de futebol da Seleção Paralímpica Brasileira apresentaram respostas fisiologicamente normais ao treinamento físico relacionadas às capacidades físicas observadas, como mostram os resultados de condicionamento aeróbico e potência muscular observados. Esses resultados sugerem que indivíduos cegos podem melhorar sua capacidade física independentemente de sua deficiência visual.

Endereço: https://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/170527

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.