Prognóstico do Lazer nas Diferentes Agendas Setoriais

Por: e Ricardo Alves Mendes.

Licere - v.23 - n.2 - 2020

Send to Kindle


.Resumo

Com a globalização, a atividade prospectiva se tornou cada vez mais complexa. Nesse sentido, buscamos compreender os sentidos dados ao lazer nas agendas globais setoriais (saúde, meio ambiente, economia). Para tanto, realizamos análise documental de 6 agendas subscritas por agências internacionais, nacionais ou locais. A exegese crítica do material apontou que o lazer é analisado de forma parcial, predominantemente como um campo afetado pelo desenvolvimento tecnológico e econômico ou como meio para promoção da saúde no contexto do desenvolvimento social e ambiental.

Referências

BNDES, Visão 2035: Brasil, país desenvolvido: agendas setoriais para alcance da meta. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social; Organizadores: Fernando Puga e Lavínia Barros de Castro. Rio de Janeiro: BNDES, 2018.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: Agenda 21. Brasília: Diário Oficial da União, 1994.

CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (Orgs.). Dicionário de trabalho e tecnologia - 2. ed. Porto Alegre, RS: Zouk, 2011.

DUMAZEDIER, J. A revolução cultural do tempo livre. São Paulo: Studio Nobel/SESC, 1994.

GERMANO, J. W.; SILVA, T. C.; COSTA, J. S. G. Saberes ausentes: colonialismo e injustiça cognitiva. Revista Inter-Legere. v. 1, n. 7, p. 168-179, 2013.

GOMES, C. L. verbete Lazer. In: GOMES, C. L (Org.). Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

______; ISAYAMA, H. F (Orgs.). O Direito social ao lazer do Brasil: Multiplicidade de olhares sobre o lazer como direito social, São Paulo: Hucitec, 2015.

IPEA. Brasil 2035: cenários para o desenvolvimento / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento. – Brasília: Ipea: Assecor, 2017.

______. Megatendências mundiais 2030: o que entidades e personalidades internacionais pensam sobre o futuro do mundo? : contribuição para um debate de longo prazo para o Brasil. MARCIAL, E.C. (Org.). Brasília: Ipea, 2015.

MARCELLINO, N.C. Para tirar os pés do chão. São Paulo: Hucitec, 1999.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21. Acesso em: 07 Ago. 2019.
OMS/WHO. Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. Geneva: World Health Organization, 2018. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO.

PIMENTEL, G. G. A. Grupo Estudo de Lazer. In: UVINHA, R. R. Lazer no Brasil: grupos de pesquisa e associações temáticas. São Paulo: Edições Sesc, 2018.

______. O passivo do lazer ativo. Movimento, v. 18, n. 3, 299-316, 2012.

SCHWARTZ, G.M.; SILVA, R.L. Leisure Education through Web. In: WORLD LEISURE CONGRESS, 6, 2000, Bilbao, Anais... Bilbao, 2000, p. 3-7.

SENAI-PR. Curitiba 2035. Curitiba: Senai/PR, 2017.

SILVA, M. D. G.; MIRANDA, E. de A. Planejamento do turismo para o desenvolvimento local. Revista Brasileira de Planejamento e Desenvolvimento, v. 2, n. 2, p. 94-103, 2013.

SILVA, R.T.; PORTO, M. F. A. Gestão urbana e gestão das águas: caminhos da integração. Estudos avançados, v.17, n. 47, 2003.

SOGREN, M., NATHANIEL, K. A. The Global Agenda: perspectives from the Caribbean. International Social Work, v. 60, n. 2, p. 271-282, 2017

Endereço: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/24043

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.