Qual a Contribuição de Cada Domínio da Atividade Física Para Atividade Física Total em Adolescentes?

Por: Antonio Evaldo dos Santos, Ellen Caroline Mendes da Silva, Josiene de Oliveira Couto, Nara Michelle Moura Soares, Raphael Henrique Oliveira Araujo e .

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.22 - 2020

Send to Kindle


.Resumo

O presente estudo teve como objetivo verificar a contribuição dos diferentes domínios da atividade física na “atividade física total” em adolescentes brasileiros.Trata-se de estudo transversal utilizando dados secundários oriundos da terceira edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar – PeNSE, 2015. A amostra foi constituída por 100.497 adolescentes de ambos os sexos cursando o 9° ano do Ensino Fundamental. Utilizou-se um modelo de regressão linear a fim de averiguar o quanto cada domínio contribuiu para a atividade física total, considerando o sexo, tipo de município e região. O domínio que apresentou maior contribuição para “atividade física total” independentemente das variáveis sociodemográficas e ambientais foram as “atividades físicas extraescolares” (R2= 0,60), seguido do “deslocamento ativo” (R2= 0,34), e por fim as “aulas de Educação Física” (R2= 0,23). A contribuição dos diferentes domínios apresentou variações por sexo, tipo de município e região. Conclui-se que as “atividades extraescolares” apresentam a maior contribuição para a “atividade física total”, seguido do “deslocamento ativo” e das “aulas de Educação Física”. Além disso, verifica-se uma variação na contribuição dos domínios por sexo, tipo de município e região.

Objetivou-se comparar a velocidade de corrida estimada em um teste de velocidade crítica com a velocidade real de corrida em uma corrida de 10 km. Estudo transversal com amostra de conveniência de 34 corredores, sendo 20 do sexo masculino e 14 do feminino (42,4 ± 11,0). Os participantes participaram de dois dias de testes e um dia para participar de uma corrida oficial de 10 km. Durante as visitas, foram realizados os seguintes testes: i) pista de atletismo de 400 metros e ii) pista de corrida de 2000 metros. Eles foram selecionados aleatoriamente e mantidos em pista de atletismo oficial com pelo menos 48 horas de descanso entre eles. Os atletas foram instruídos a participar do estudo devidamente recuperados, alimentados e hidratados. A velocidade crítica (CV) foi calculada como a relação linear entre distância e tempo de corrida, correspondendo à inclinação da linha de regressão linear. Ambos os testes ocorreram em situações climáticas semelhantes. Boa concordância entre as velocidades estimadas através do teste CV e o tempo real de teste de 10 km. Embora tenha havido uma diferença nas velocidades estimadas pelo teste CV e o tempo real de teste de 10 km, o delta de variação foi baixo. Assim, esses dados indicam que o teste CV parece ser uma boa ferramenta para estimar a velocidade de uma corrida de 10 km. O CV determinado no campo com duas distâncias fixas de 400 e 2000 metros foi válido para estimar a velocidade de corrida de 10 km.

Referências

Granger E, Di Nardo F, Harrison A, Patterson L, Holmes R, Verma A. A systematic review of the relationship of physical activity and health status in adolescents. Eur J Public Health. 2017;27(2):100–6.

Kyu HH, Bachman VF, Alexander LT, Mumford JE, Afshin A, Estep K, et al. Physical activity and risk of breast cancer, colon cancer, diabetes, ischemic heart disease, and ischemic stroke events: Systematic review and dose-response meta-analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. BMJ. 2016;354:1–10.

Telama R, Yang X, Viikari J, Välimäki I, Wanne O, Raitakari O. Physical activity from childhood to adulthood: A 21-year tracking study. Am J Prev Med. 2005;28(3):267–73.

World Health Organization. Global Action Plan on Physical Activity 2018 - 2030. 2018

Silva DAS, Christofaro DGD, Ferrari GL, Silva KS, Nardo N Jr, Silva RJS, et al. Resultados do Boletim Brasileiro de 2018 sobre atividade física para crianças e jovens. J Phys Act Health. 2018;15(2):323-25.

Lonsdale C, Rosenkranz RR, Peralta LR, Bennie A, Fahey P, Lubans DR. A systematic review and meta-analysis of interventions designed to increase moderate-to-vigorous physical activity in school physical education lessons. Prev Med. 2013;56(2):152–61.

Beets MW, Weaver RG, Turner-Mcgrievy G, Huberty J, Ward DS, Pate RR, et al. Making policy practice in afterschool programs: A randomized controlled trial on physical activity changes. Am J Prev Med. 2015;48(6):694–706.

Pizarro AN, Schipperijn J, Andersen HB, Ribeiro JC, Mota J, Santos MP. Active commuting to school in Portuguese adolescents: Using PALMS to detect trips. J Transp Heal. 2016;3(3):297–304.

Slingerland M, Borghouts LB, Hesselink MKC. Physical Activity Energy Expenditure in Dutch Adolescents: Contribution of Active Transport to School, Physical Education, and Leisure Time Activities. J Sch Health. 2012;82(5):225–32.

De Rezende LFM, Azeredo CM, Canella DS, Claro RM, De Castro IRR, Levy RB, et al. Sociodemographic and behavioral factors associated with physical activity in Brazilian adolescents. BMC Public Health. 2014;14(1):1–11.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde Do Escolar (PeNSE) 2015. IBGE. 2016.16.

Oliveira MM, Campos MO, Andreazzi MAR, Malta DC. características da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar - PeNSE. Epidemiol. Serv. Saúde. 2017;26(3):605–16.

James M, Todd C, Scott S, Stratton G, McCoubrey S, Christian D, et al. Teenage recommendations to improve physical activity for their age group: A qualitative study. BMC Public Health. 2018;18(1):1–9.

Silva M, Engers P, Vilela G, Spohr C, Rombaldi A. Fontes de informação sobre benefícios à prática de atividade física e fatores associados em adolescentes: estudo de base escolar. Rev Bras Atividade Física Saúde. 2016;21(3):237–45.

Smith MP, Berdel D, Nowak D, Heinrich J, Schulz H. Physical activity levels and domains assessed by accelerometry in German adolescents from GINIplus and LISAplus. PLoS One. 2016;11(3):1–17.

Hardie Murphy M, Rowe DA, Woods CB. Impact of physical activity domains on subsequent physical activity in youth: a 5-year longitudinal study. J Sports Sci. 2017;35(3):262–8.

Smith L, Aggio D, Hamer M. Active travel to non-school destinations but not to school is associated with higher physical activity levels in an ethnically diverse sample of inner-city schoolchildren. BMC Public Health. 2017;17(1):1–6.

Larouche R, Sarmiento OL, Broyles ST, Denstel KD, Church TS, Barreira T V, et al. Are the correlates of active school transport context-specific? Int J Obes Suppl. 2015;5(S2):S89–99.

Silva DAS, Chaput JP, Tremblay MS. Participation frequency in physical education classes and physical activity and sitting time in Brazilian adolescents. PLoS One. 2019;14(3):1–14.

Meyer U, Roth R, Zahner L, Gerber M, Puder JJ, Hebestreit H, et al. Contribution of physical education to overall physical activity. Scand J Med Sci Sport. 2011;23(5):600–6.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2020v22e70170

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.