Que Finalmente Venha 2020

Por: .

Blog do CEV - 2020

Send to Kindle


Exatamente. Não cheguei agora de outro planeta e respeito o calendário gregoriano, aquele mesmo promulgado por Vossa Santidade o Papa Gregório XIII, em 1582 e prontamente adotado pelos países católicos europeus. Tornou-se referência global para demarcar o ano civil e desde então sabemos exatamente a ordem dos dias, semanas e anos, inclusive os anos bissextos, como é esse. Dizem que o tempo é preciso, então os calendários também deveriam sê-lo.

Muito bem. Tudo isso para dizer que nesse último dia de fevereiro celebro o início de mais um ano, porque um outro dado desprezado pelo Papa Gregório, determina o movimento dessa terra que fica do lado de baixo do Equador. Acabado o carnaval, contamos agora com a rotina básica para fazer o ano acontecer, muito embora ocorreram fatos nesses dois primeiros meses que já seriam suficientes para determinar o fim de uma Era e o início de novos bons tempos.

O marco deste ano esportivo é sem dúvida a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Celebrados como a primeira edição olímpica pós agenda 20+20, Tóquio promete muitas novidades com o consagrado padrão de qualidade nipônico. O planejamento exemplar aponta para a quase perfeição. Arenas já estão prontas há meses e tem sido palco de eventos teste, como deve ser. Há simulações que vão de controle de tráfego a evacuação em caso de acidentes naturais como um terremoto.

Mas, parece que os deuses do Olimpo querem mesmo testar esses seres imperfeitos e falíveis, afinal a perfeição e a imortalidade não foram feitas para os humanos.

Nem mesmo o mais pessimista dos organizadores poderia contar com um tipo de vida que não se enxerga a olho nu, mas que pode nocautear o melhor dos sumotoris ou dos peso pesados da luta olímpica.

O corona vírus ronda os Jogos Olímpicos.

Isso quer dizer que a competição mais celebrada do mundo, mais ansiada pelos atletas e de maior visibilidade planetária corre o risco de ser desfigurada por uma força microscópica, destituída de consciência ou intenção. Que mundo curioso esse onde os extremos se testam em seus pontos mais fracos.

Ao longo desse pouco mais de um século os Jogos Olímpicos sobreviveram a duas Grandes Guerras Mundiais, à Guerra Fria, a dois boicotes, à transformação do amadorismo, à profissionalização dos atletas e da estrutura dos Jogos. Sem contar as inúmeras tensões geradas pela geopolítica internacional e os diferentes interesses comerciais que insistem em alterar a ordem natural da coisa olímpica. Sofreu um abalo imenso com o atentado em Munique e a morte de atletas, mas naquele momento, e agora também, o que se ouve é que “the show must go on”. Esse expressão foi proferida pelo presidente do COI em 1972, depois da confirmação das mortes ocorridas na Vila Olímpica. Os Jogos não podiam parar. Deu-se um dia de luto e na sequência as competições recomeçaram, apesar da tristeza e da dor.

Percebo que neste momento as tensões geradas por essa enfermidade que já se tornou global segue de perto o padrão escândalo que uma nova doença gera em tempos de virtualidade. O pânico se instala de imediato como nos filmes de terror e de ficção. No Rio, em 2016, foi o vírus da Zica a fonte geradora de pânico, o que fez muitos estrangeiros não virem ao Brasil. A economia não girou como se desejava, mas os Jogos ocorreram. E agora, já se fala em cancelamento ou mesmo de realização das competições com as arenas sem público. Isso seria mesmo Jogos Olímpicos? A quem serve a propagação desse tipo de informação? Fica aqui a questão para as próximas semanas.

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.