Reconversão Torcedora: Transgressão ou Um Caso de Extensão Simbólica?

Por: Luiz Henrique de Toledo.

R@u - Revista de Antropologia da Ufscar - v.12 - n.1 - 2020

Send to Kindle


Resumo

Este artigo trata das formas de torcer (Toledo, 2002) de um ponto de vista ainda pouco observado. Centrado na esfera da pessoa e não propriamente nas estratégias que definem regimes classificatórios de adesão clubísticas, o argumento incide sobre processos de relativização da socialidade fixada em torno dos coletivos que unem times e militância, definindo o torcedor como parte de um todo. O argumento está acomodado na noção de reconversão, isto é, processo tardio em que a pessoa torcedora pode ser retotalizada. Reconversão não é tomada somente como manifestação de crise geracional ou de personalidade, desapego identitário, arrefecimento do interesse pela prática torcedora, mas como processo de extensão do torcer que multiplica as possibilidades da mudança e que pode levar à troca ou experimentações dessa adesão esportiva. Tal processo aparentemente mais raro ou ainda pouco verbalizado contrasta com várias formas de adesão ou abandono da militância clubística, mostrando que o torcer pode ser observado como processo de relativização das convenções inatas ou inertes de justaposição de referentes simbólicos exteriores na fabricação da pessoa torcedora. 

Endereço: http://www.rau.ufscar.br/?p=1585

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.