Relação Entre a Eficácia da Superioridade Numérica Temporal e o Resultado da Partida no Polo Aquático

Por: Flávio Antônio de Souza Castro, Guilherme Tucher, Nuno Domingos Garrido, Ricardo Gomes Cabral e Sofia Canossa.

Revista da Educação Física - UEM - v.26 - n.4 - 2015

Send to Kindle


.Resumo

O estudo relacionou a eficácia obtida nas situações de superioridade numérica temporal (H+) com o resultado dos jogos de uma competição nacional de polo aquático. Analizando-se as súmulas da competição, a eficácia de H+ foi considerada como “baixa”, “média” ou “alta” e, de acordo com o resultado das partidas, as equipes foram classificadas como “perdedoras” ou “vencedoras”. Utilizou-se a estatística descritiva e o teste qui-quadrado para avaliar o relacionamento entre as variáveis. Quando a eficácia de H+ foi baixa, 68% das equipes perderam a partida. Quando foi alta, 86,2% das equipes saíram vencedoras. A eficácia de H+ teve um efeito significativo no resultado das partidas (p < 0.001), sendo que uma equipe com baixa eficácia naquela situação de jogo apresentou 13,25% maior probabilidade de derrota. Concluiu-se que a eficácia da H+ influencia o resultado das partidas. Quando esta é média ou alta, as equipes apresentaram maior índice de vitória.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/26914

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.