Respostas Hemodinâmicas Ao Exercício de Força com Restrição do Fluxo Sanguíneo em Pequenos Grupos Musculares

Por: Antônio Gomes Resende-neto, Chystianne Barros Saretto, Mabel Michelini Olkoski, Marzo Edir da Silva Grigoletto, Sabrina Lencina Bonorino e Vanessa da Silva Corralo.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


.Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar as respostas hemodinâmicas agudas ao exercício de força com restrição do fluxo sanguíneo envolvendo pequenos grupos musculares. A amostra foi composta por 10 voluntários do sexo masculino (22,6 ± 2,07 anos, 1,78 ± 0,06 m, 76,32 ± 13,36 kg) que realizaram aleatoriamente dois protocolos experimentais envolvendo o exercício de flexão do cotovelo com o braço dominante: exercício de força dos flexores do cotovelo com restrição de fluxo sanguíneo ( EFBFR) e exercício de força dos flexores do cotovelo sem restrição de fluxo sanguíneo (EEF). Foi utilizado um delineamento cruzado com intervalo de sete a dez dias entre os protocolos experimentais. A pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD) e média (PAM), pressão de pulso (PP), frequência cardíaca (FC) e duplo produto (DP) foram avaliadas em repouso, imediatamente após o exercício e aos 15 minutos de recuperação. SBP, A PAD e PAM apresentaram um aumento significativo (p <0,05) imediatamente após o EFBFR quando comparado ao protocolo sem restrição de fluxo sanguíneo, retornando aos valores de repouso aos 15 minutos de recuperação. A PAD reduziu significativamente (p <0,05) no período de recuperação apenas no experimento EFBFR e a FC aumentou pós-esforço em ambos os experimentos. Os resultados do presente estudo permitem concluir que o exercício de força com BFR envolvendo pequenos grupos musculares foi mais eficiente que o exercício sem BFR para promover alterações agudas nas respostas hemodinâmicas. e que o BFR não representou um risco cardiovascular, considerando seus efeitos na PP. retornando aos valores de repouso aos 15 minutos de recuperação. A PAD reduziu significativamente (p <0,05) no período de recuperação apenas no experimento EFBFR e a FC aumentou pós-esforço em ambos os experimentos. Os resultados do presente estudo permitem concluir que o exercício de força com BFR envolvendo pequenos grupos musculares foi mais eficiente que o exercício sem BFR para promover alterações agudas nas respostas hemodinâmicas. e que o BFR não representou um risco cardiovascular, considerando seus efeitos na PP. retornando aos valores de repouso aos 15 minutos de recuperação. A PAD reduziu significativamente (p <0,05) no período de recuperação apenas no experimento EFBFR e a FC aumentou pós-esforço em ambos os experimentos. Os resultados do presente estudo permitem concluir que o exercício de força com BFR envolvendo pequenos grupos musculares foi mais eficiente que o exercício sem BFR para promover alterações agudas nas respostas hemodinâmicas. e que o BFR não representou um risco cardiovascular, considerando seus efeitos na PP.

Referências

De Sousa EC, Abrahin O, Ferreira ALL, Rodrigues RP, Alves EAC, Vieira RP. Somente o treinamento resistido reduz a pressão arterial sistólica e diastólica em meta-análise de indivíduos pré-hipertensivos e hipertensos. Hypertens Res 2017; 40 (11): 1-5.

Takarada S, Okita K, Suga T, Omokawa M, Kadoguchi T, Sato T, et al. O exercício de baixa intensidade pode aumentar a massa muscular e a força proporcionalmente ao estresse metabólico aumentado em condições isquêmicas. J ApplPhysiol 2012; 113 (2): 199-205.

Gonçalves ACCR, Pastre CM, Camargo Filho JCS, Vanderlei LCM. Exercício resistido no cardiopata: revisão sistemática. Fisioter Mov 2012; 25 (1): 195-205.

Faculdade Americana de Medicina Esportiva. Modelos de progressão no treinamento resistido para adultos saudáveis: posição em pé. Med Sci Sports Exerc 2009; 41 (3): 687-708.

Scott BR, Loenneke JP, Slattery KM, Dascombe BJ. Exercício com restrição de fluxo sanguíneo: uma abordagem baseada em evidências atualizada para melhorar o desenvolvimento muscular. Sports Med 2015; 45 (3): 313-25.

Takano H, Morita T, Iida H, Asada K, Kato M, Uno K, et al. Respostas hemodinâmicas e hormonais a um exercício de resistência de baixa intensidade a curto prazo com a redução do fluxo sanguíneo muscular. Eur J Appl Physiol 2005; 95 (1): 65-73.

Figueroa A, ViciL F. Respostas hemodinâmicas da aorta pós-exercício ao exercício resistido de baixa intensidade com e sem oclusão vascular. Scand J Med Sci Sports 2011; 21 (3): 431-436.

Lixandrão M, Ugrinowitsch C, Berton R, Vechin FC, Conceição MS, Damas F, et al. Magnitude da força muscular e adaptações de massa entre o treinamento de resistência de alta carga e o treinamento de resistência de baixa carga associado à restrição de fluxo sanguíneo: uma revisão sistemática e uma meta-análise. Sports Med 2018; 48 (2): 361-378.

Araújo JP, Silva ED, Silva JCG, Souza TSP, Lima EO, Guerra I, et al. O efeito agudo do exercício resistido com restrição do fluxo sanguíneo com variáveis ​​hemodinâmicas em hipertensos. J Hum Kinet 2014; 43 (1): 79-85.

Neto GR, Sousa MSC, Costa PB, Salles BF, Novaes GS, Novaes JS. Efeitos hipotensores de exercícios resistidos com restrição de fluxo sanguíneo. J Strength Cond Res 2015; 29 (4): 1064-1070.

Brown LE, Weir JP. Recomendação de procedimentos I: Avaliação precisa da força e potência muscular. J Exerc Physiol 2001; 4 (3): 1-21.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2016; 107 (3) Suppl 3: 1-103.

Rocha E. Influência da pressão arterial sistólica e pressão arterial diastólica com repercussão nos órgãos-alvo. Rev FactoresRisco 2013; 28 (1): 16-9.

Poton P, Polito MD. Resposta hemodinâmica ao exercício resistido com e sem restrição de fluxo sanguíneo em indivíduos saudáveis. Clin Physiol Funct Imaging 2016; 36 (3): 231-236.

Spranger MD, Krishnan AC, Levi PD, O'Leary DS, Smith SA. Treinamento de restrição do fluxo sanguíneo e reflexo pressor do exercício: um pedido de preocupação. Os pacientes foram submetidos a um procedimento cirúrgico com anestesia local. Resposta cardiovascular na prova de esforço: pressão arterial sistólica. Ver Bras Med Esporte 1997; 3 (1): 6-10.

Passaro CL. Resposta cardiovascular na prova de esforço: pressão arterial sistólica. Ver Bras Med Esporte 1997; 3 (1): 6-10.

Casonatto J, Doederlein M. Hipotensão pós-exercício: uma revisão sistemática. Rev Bras Med Esporte 2009; 15 (2): 151-157.

Brandner CR, DJ Kidgell, Warmington SA. Hemodinâmica unilateral do bíceps: restrição contínua e baixa pressão do fluxo sanguíneo intermitente a alta pressão. Scand J Med Sci Sports 2015; 25 (6): 770-777.

Downs ME, Hackney KJ, Martin D, Caine TL, Cunningham D, O'Connor DP, et al. Respostas vasculares e cardiovasculares agudas ao exercício restrito ao fluxo sanguíneo. Med Sci Sports Exerc 2014; 46 (8): 1489-1497.

Pollock M, Franklin B, Balady G, Chaitman B, Fleg J, Fletcher B, et al. Exercício resistido em indivíduos com e sem doença cardiovascular: benefícios, justificativa, segurança e prescrição: um conselho do comitê de exercício, reabilitação e prevenção, conselho de cardiologia clínica da American Heart Association. Circulation 2000; 101: 828-33.

Nogueira AR, Muxfeldt E, Salles GF, Bloch KV. A importância clínica da pressão de pulso. Rev Bras Hipertens 2003; 10 (2): 140-1.

Dardo AM, Kingwel BA. Pressão de pulso - Uma revisão do mecanismo e relevância clínica. J Am Coll Cardiol 2001; 37 (4): 975-984.

 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e56258

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.