Tempo Livre e Trabalho o Caso dos Vigilantes da Unicamp

Por: Bruno Modesto Silvestre e .

Licere - v.17 - n.4 - 2014

Send to Kindle


.Resumo

O artigo é fruto de análises das diferenças e as semelhanças existentes no tempo livre de trabalho e na fruição do lazer entre os trabalhadores da vigilância, servidores públicos e terceirizados da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Para o desenvolvimento do estudo, coletamos dados sobre as jornadas de trabalho semanal e remuneração mensal desses trabalhadores. Também aplicamos o orçamento- tempo (DUMAZEDIER, 1979; SZALAI, 1972), objetivando conhecer as atividades desenvolvidas ao longo de uma semana pelas duas categorias de vigilantes. Pode-se afirmar, a partir dos resultados obtidos, que o tempo livre de trabalho dos terceirizados é muito menor do que o dos servidores públicos, porém a fruição do lazer apresenta elementos semelhantes.

Downloads

Biografia do Autor

Bruno Modesto Silvestre, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Políticas Públicas e Lazer.

Silvia Cristina Franco Amaral, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Docente da Universidade Estadual de Campinas - Faculdade de Educação Física. Coordenadora do Grupo de Estudos em Políticas Públicas e Lazer. 

Referências

ALVES, Giovanni. O Novo e Precário Mundo do Trabalho: Reestruturação Produtiva e Crise do Sindicalismo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

______. Trabalho, subjetividade e lazer: estranhamento, fetichismo e reificação no capitalismo global. In: PADILHA, Valquíria (Org.). Dialética do Lazer. São Paulo: Editora Cortez, 2006.

ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

BERNARDO, João. Reestruturação Capitalista e os Desafios para os Sindicatos. Lisboa: Mimeo, 1996.

BIHR, Alain. Da Grande Noite à Alternativa. São Paulo: Boitempo Editorial, 1998.

BOITO JUNIOR, Armando. Política neoliberal e sindicalismo no Brasil. São Paulo: Xamã, 1999.

CAMARGO, Luiz Octávio de Lima. Educação para o Lazer. São Paulo: Editora Moderna, 1998.

CHAUÍ, M. Introdução. In: LAFARGUE, P. O direito à preguiça. São Paulo: Hucitec, 1999.

DAGNINO, Evelina. Sociedade civil, participação e cidadania: de que estamos falando? In: Daniel Mato (Coord.), Políticas de ciudadanía y sociedad civil en tiempos de globalización. Caracas: FACES, Universidad Central de Venezuela, p. 95-110, 2004.

DART, John. Home-based Work and Leisure Spaces: Settee or Work-Station? Leisure Studies, v. 25, n.3, p. 13-328, 2006.

DE GRAZIA, S. Tiempo, trabajo y ócio. Madrid: Tecnos, 1966.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia Empírica do Lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.

FUNCAMP. Relatório de Atividades 2012. (Fundação de Desenvolvimento da Unicamp)2012. Disponível em <http://www.funcamp.unicamp.br/upload/relat_atividades/RA_2012.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2013.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

HUNGARO, Edson Marcelo. Trabalho, Tempo livre e emancipação humana: Os determinantes ontológicos das políticas sociais de lazer. 2008. 295 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

LAFARGUE, Paul. O Direito à Preguiça. São Paulo: Kairós, 1980.

MARCASSA, L. As faces do lazer: categorias necessárias à sua compreensão. In: CONBRACE, 13, 2003, Caxambu. Anais...Caxambu, 2003.

MARCELINO, Paula. Terceirização e ação sindical: a singularidade da reestruturação do capital no Brasil. 1998. 401 f. Tese (Doutorado)- Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Unicamp, Campinas, 2008.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política. Livro 1: O processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

______. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MASCARENHAS, Fernando. Lazer e Utopia: Limites e Possibilidades da Ação Política. Revista Movimento, Porto Alegra, v.11, n. 3, p.155-182, setembro/outubro de 2005.

______. “Lazerania” também é conquista: tendências e desafios na era do mercado. Revista Movimento, Porto Alegre, v.10, n.2, maio/agosto de 2004.

______. Lazer Como Prática de Liberdade. Goiania: Editora Ufg, 2003.

NOGUEIRA, Claudia Mazzei. A Feminização do Mundo do Trabalho. Campinas: Autores Associados, 2004.

PADILHA, Valquíria. Trabalho e Gestão de Pessoas: O que o Lazer tem a ver com isso? In: MARCELLINO, Nelson Carvalho (Org.). Lazer e Sociedade: Múltiplas Relações. Campinas: Editora Alínea, p. 27-43, 2008.

______. O Lazer Contemporâneo: Ensaio de Filosofia Social. Revista Movimento, Porto Alegre, v.10, n.2, p.147-166, maio/agosto de 2004.

______. Se o trabalho é doença, o lazer é remédio? In: MÜLLER, Ademir e DACOSTA, Lamartine Pereira (Org.). Lazer e Trabalho – Um único ou múltiplos olhares? Santa Cruz do Sul: Edunisc, p. 243-266, 2003.

______. Tempo Livre e Capitalismo: Um par Imperfeito. Campinas: Editora Alínea, 2000.

PINTO, Geraldo Augusto. A organização do Trabalho no Século 20: Taylorismo, Fordismo e Toyotismo. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

POCHMANN, Márcio. Nova Classe Média? O Trabalho na Base da Pirâmide Social Brasileira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

SANT´ANNA, Denize Bernuzzi de. O Prazer Justificado História e Lazer (São Paulo, 1969/1979). São Paulo: Marco Zero, 1992.

SCHWARTZ, G. M. O conteúdo virtual do lazer: contemporizando Dumazedier. Licere, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 23-31, 2003.

SZALAI, A. The use of time: daily activities of urban and suburban populations in twelve countries. The Hague: Paris, Mouton & Co. 1972.

THOMPSON, E. P. Costumes em Comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de administração científica. 7. ed. São

Paulo: Atlas 1987.

UNINCAMP. Anuário Estatístico da Unicamp - 2012, Base 2011. Disponível em

<http://www.aeplan.unicamp.br/anuario/2012/anuario2012.pdf>. Acesso em: 10 dez.

Endereço: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/1014

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.