Vo2max Estimado Por Equações Preditivas Apresenta Baixa Concordância com o Obtido Pelo Padrão Ouro - Teste Cardiopulmonar.

Por: , Augusto Luiz Nascimento Miranda, José Geraldo Mill, Kristian Costa Lopes, Luciana Carletti e Wellington Lunz.

Revista da Educação Física - UEM - v.26 - n.1 - 2015

Send to Kindle


Resumo

O objetivo foi avaliar a concordância entre medidas do VO2max obtidas em teste cardiopulmonar de esforço máximo versus obtidas por equações preditivas. Homens (21-55 anos) foram agrupados em praticantes de musculação (PM; n=31) e corridas (PC; n=28), e não praticantes (SE; n=35). Testou-se 5 equações, uma delas elaborada em amostra brasileira. A concordância foi avaliada por Bland-Altman, e as correlações pelo coeficiente de correlação de Pearson (r). Os r entre medida padrão ouro vs. equações ficaram entre 0,27 a 0,75,  com p<0,05 para a maioria. Entretanto, as concordâncias foram baixas. Na equação obtida em brasileiros, os valores menos concordantes foram, em ordem: SE, PM e PC; e nas demais equações foram: PC, PM e SE. As piores estimativas foram para VO2max mais elevados, principalmente >40 mL.kg-1.min-1. Conclui-se que as equações preditivas avaliadas nesse estudo geram medidas de baixa concordância quando comparadas ao padrão ouro, principalmente para VO2max >40 mL.kg-1.min-1.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/22603

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.