ANPPEF - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação Física

Ponto de encontro de sócios e simpatizantes da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação Física

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevanppef/

Artimanhas Inflam Produção Científica



Jornal da Ciência (JC E-Mail)
====================================================
Edição 4050

Artimanhas inflam produção científica Pesquisadores e revistas científicas criam estratégias para elevar artificialmente o impacto de seus trabalhos Quando o professor de ciências farmacêuticas da Universidade Federal da Paraíba, José Maria Barbosa Filho, assumiu a editoria da Revista Brasileira de Farmacognosia, em 2005, começou uma espécie de revolução. Até então desconhecida, a revista foi inserida em bases científicas nacionais e internacionais e ganhou posições de causar inveja em rankings de publicações. O segredo está no que ele chamou de "trabalho de garimpagem": o próprio editor convidou pesquisadores para publicarem seus trabalhos e recomendou que eles citassem artigos da própria revista em seus trabalhos. A história é um exemplo do que os editores de publicações científicas fazem para aumentar o fator de impacto (FI) de suas publicações. O FI é o principal critério utilizado pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para avaliar a produção científica. O sistema criado em 1998 para fazer essa avaliação, o Qualis, tem sofrido críticas da academia. Segundo os cientistas, o Qualis prejudica as publicações nacionais, já que essas revistas não têm como concorrer com o FI (índice baseado no número vezes que um artigo é citado por outros) de publicações internacionais. Como estas têm mais citações e, em muitos casos, mais prestígio no meio acadêmico, os pesquisadores brasileiros preferem publicar seus trabalhos fora do país. "Os brasileiros citam pouco os trabalhos daqui e publicam os melhores artigos fora do país. A autocitação deve ser estimulada e isso não é ilegal", afirmou Barbosa Filho à Folha. A criatividade de Barbosa Filho para inflar a posição de sua revista no ranking do Qualis não é única. Segundo o professor da UnB Marcelo Hermes-Lima, elas derivam da política da Capes que avalia qualidade de produção científica por meio de números. "Ficam de fora do Qualis critérios como análise de citações por região (que consideram as citações por Estado ou país)", diz Bruno Caramelli, professor da USP e editor da Revista da Associação Médica Brasileira. Caramelli integra um grupo de editores científicos que recentemente enviou um e-mail à Capes solicitando revisão dos critérios do Qualis. "Não acredito na extinção das revistas científicas nacionais. Mas se os cientistas continuarem preferindo as internacionais, ficaremos numa situação complicada", analisa o médico. A Capes diz que não há problemas em avaliar a produção científica pelas citações. "O fator de impacto é uma metodologia consolidada nas últimas quatro décadas", afirma Lívio Amaral, diretor da Avaliação Científica da instituição. Segundo ele, a política da Capes é manter o apoio às revistas brasileiras."Todos os países com desenvolvimento científico e tecnológico têm as suas revistas. Na Europa há revistas com 200 anos." Juntos, Capes e CNPq distribuem cerca de R$ 5 milhões por ano para 188 revistas científicas nacionais. Quanto melhor classificada no ranking Qualis, maior é o montante de dinheiro que a revista científica recebe das instituições de apoio. Impacto reflete na avaliação dos cientistas O fator de impacto (FI) acaba influenciando também a avaliação individual dos pesquisadores, embora o sistema Qualis tenha sido criado inicialmente para avaliar programas de pós-graduação e revistas científicas. Lívio Amaral, diretor da Avaliação Científica da Capes, reconhece a existência desse efeito colateral, que chama de "distorção". Na opinião de Marcelo Hermes-Lima, da UnB, os pesquisadores deveriam ser avaliados por critérios além da produção científica em revistas, como orientações concedidas, palestras e artigos revisados. "Ninguém mais quer ser revisor de revista científica porque não conta ponto." "O fator de impacto é uma medida quase socialista porque avalia o pesquisador pelos vizinhos que publicam na mesma revista. É um pecado capital analisar a produção do indivíduo pelo FI", diz. O FI é calculado a partir de um banco de dados da empresa Thomson Reuters, com estatísticas sobre revistas científicas de todo o mundo. De acordo com Rogério Mugnaini, estatístico e especialista em cienciometria da USP, o ranking internacional do ISI utiliza critérios além das citações. "Há alguns anos, o ISI não divulgava claramente como fazia o ranking", afirma. Apesar disso, os critérios internacionais de avaliação de produção científica ainda geram dúvidas, diz. (Sabine Righetti) (Folha de SP, 11/7)

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.