ANPPEF - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação Física

Ponto de encontro de sócios e simpatizantes da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação Física

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevanppef/

Impactos do Fator Impacto. Vamos Encarar as Distorções?



Cevnautas, sabemos todos que as agências de fomento não são, necessariamente, especialistas em ciência da informação, e que acabaram engolindo goela abaixo treinzinhjos, salsichas e jabás. O Prof Ruy encara o problema. Vamos ampliar? Laercio

JC e-mail 4077, de 18 de Agosto de 2010.
   
Impactos do fator de impacto: o darwinismo aplicado ao fomento à ciência, artigo de Ruy José Válka Alves
    
"A comunidade científica tem que responder à crescente demanda por informações em pouquíssimo tempo, não podendo se dar ao luxo de delegar suas questões às gerações futuras"

Ruy José Válka Alves é professor do Departamento de Botânica do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do qual foi vice-diretor. Artigo enviado pelo autor ao "JC e-mail":

A ciência deve estar, acima de tudo, a serviço da humanidade. Assim, os trabalhos científicos "mais fortes" seriam selecionados em detrimento dos mais fracos, por aqueles aos quais cabem tais decisões.

Idealmente, a citação bibliográfica das obras científicas demonstra apenas que um autor não ignora determinado trabalho. A mera citação de uma obra nunca revela se esta é bem ou mal elaborada. Quando muito, ao citarem a obra, os autores expressam, de maneira tecnicamente embasada, suas opiniões sobre o trabalho.

Mas com o advento do sistema de citações, a exemplo do fator de impacto etc., o mundo científico embarcou numa viagem da fantasia, em que qualquer citação passou a contar como ponto positivo. Não demorou muito e a lógica dessa ação entrou em metástase, criando um pensamento circular: as citações em periódicos mais citados valem mais pontos do que as citações em periódicos menos citados. Em pouco tempo muitos periódicos científicos tradicionais ficaram em séria desvantagem nas avaliações, em função do citacionismo. Ironicamente, não há nenhuma ligação comprovada entre a qualidade dos artigos científicos e dos periódicos.

Mas os economistas não dormiram no ponto: vendo o gargalo criado pelo "impacto" usaram a oportunidade para gerar o poder de escolher entre os candidatos a apoios. Os mais citados em periódicos frequentemente citados e citáveis, tornando-se assim os mais criticados, vencem as concorrências, ganham bolsas e "grants". Com isto, tornam-se mínimas as chances de pesquisadores não citados, ou citados em fontes fora da "Lista de Schindler" obterem apoios de órgãos de fomento oficiais.

Citar ou não um artigo científico se tornou um ato de poder político. Citam-se os dos amigos e parceiros. O "azar" vai aos que ficaram de fora dessas categorias, e se reflete em chances artificialmente reduzidas para qualquer apoio.

Assim, em muitas áreas, tornou-se extremamente comum cientistas, em seus artigos, omitirem informações dos seus pares, mesmo que publicadas, com a clara intenção de não beneficiar seus "concorrentes". Na guerra por pontos, bolsas de pesquisa, verbas de editais, "grants" etc., tal prática chegou ao cúmulo do ridículo. Mesmo tendo recebido separatas por correio e, nas últimas décadas, por e-mail, os "grupos de excelência" continuam ignorando os trabalhos alheios, por mais excelentes que estes últimos realmente sejam.

Desvirtuou-se assim o compromisso que a ciência deveria ter para com a verdade. Agora, tal compromisso é com as aparências. Mas poucos se tocam: assim, não podemos mais falar de ciências, tampouco de consciências.

Com essa guinada de valores, o conteúdo real de um trabalho ficou em segundo plano. Se ele será útil à Humanidade, não mais importa aos que decidem. Quem decide se você ganha uma bolsa ou verba para pesquisa não vê o valor do trabalho técnico, mas um número de pontos gerado por uma imbecilidade artificial: o sistema de impacto e seus derivados.

Se desejarmos que haja avanços na ciência, educação e cultura deste mundo, do qual o Brasil é um parceiro significativo, temos que começar com uma atitude contundente, descreditando o sistema de avaliação de cientistas e periódicos em vigor e, num futuro próximo, criando um modo mais eficaz para realizar tais avaliações, que seja independente dos modismos ora vigentes.

A seleção de trabalhos científicos bons por um método linear e pasteurizado nem sempre será possível, pois a vastidão da ciência em muito supera a nossa capacidade de previsão. Às vezes a utilidade de um trabalho será imediata, e noutros casos será potencial, o que, aos menos imediatistas, não reduzirá o valor do trabalho em apreço.

Conhecendo vários casos concretos que embasam este artigo preliminar, me ponho, desde já, à disposição de potenciais colaboradores para um estudo que venha a relatar, de modo imparcial, casos icônicos do mencionado acima.

De fato, o darwinismo não se aplica aqui, pois a comunidade científica tem que responder à crescente demanda por informações em pouquíssimo tempo, não podendo se dar ao luxo de delegar suas questões às gerações futuras.

Mas já seria muito positivo se conseguíssemos admitir a existência dos problemas aqui expostos, gerando mais luz do que atrito.

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.