Acompanhamento Longitudinal da Atividade Física da Pré-escola à Idade Escolar: o Estudo Elos-pré

Por: Carla Menêses Hardman, Jorge Bezerra, , e .

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


.Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar se a prática de atividade física na idade pré-escolar (3-5 anos) é preditiva desse comportamento após o ingresso na idade escolar (5-7 anos). Estudo longitudinal, de base escolar, com 700 crianças matriculadas em escolas públicas e privadas da cidade de Recife, Pernambuco, avaliadas em 2010 e acompanhadas em 2012. As variáveis ​​do estudo foram o tempo gasto em jogos e brincadeiras ao ar livre (medida referida pelos pais / responsáveis ​​pelas crianças através de questionário aplicado como entrevista) e o nível de atividade física (medida objetiva obtida pelo acelerômetro Actigraph). A última medida foi extraída de uma subamostra (n = 98) de crianças. Para análise dos dados, foi utilizada regressão logística binária. As crianças que passaram mais de 60 minutos por dia nesse tipo de atividade apresentaram 45% mais chances de manter esse comportamento após a idade escolar (OR = 1,45, IC 95% 1,02-2,07, p = 0,04). Além disso, as crianças que apresentaram medida global de 300+ contagens / minuto de NAF em 2010 apresentaram 173% mais chances de manter esse nível de atividade física após a idade escolar (OR = 2,73, IC 95%, 98-7,59, p = 0,06 ) Verificou-se que a prática de atividade física na idade pré-escolar é preditora desse comportamento após o ingresso na idade escolar. Sugere-se o desenvolvimento de campanhas para informar pais e professores sobre a importância da adesão precoce às recomendações de atividade física. as crianças que apresentaram medida global de 300+ contagens / minuto de NAF em 2010 tiveram 173% mais chances de manter esse nível de atividade física após a idade escolar (OR = 2,73, IC 95%, 98-7,59, p = 0,06). Verificou-se que a prática de atividade física na idade pré-escolar é preditora desse comportamento após o ingresso na idade escolar. Sugere-se o desenvolvimento de campanhas para informar pais e professores sobre a importância da adesão precoce às recomendações de atividade física. as crianças que apresentaram medida global de 300+ contagens / minuto de NAF em 2010 tiveram 173% mais chances de manter esse nível de atividade física após a idade escolar (OR = 2,73, IC 95%, 98-7,59, p = 0,06). Verificou-se que a prática de atividade física na idade pré-escolar é preditora desse comportamento após o ingresso na idade escolar. Sugere-se o desenvolvimento de campanhas para informar pais e professores sobre a importância da adesão precoce às recomendações de atividade física.

Referências

Hnatiuk JA, Salmon J, Hinkley T, Okely AD, Trost S. Uma revisão da atividade física de crianças em idade pré-escolar e do tempo sedentário usando medidas objetivas. Am J Prev Med 2014; 4 (4): 487-497.

Reilly JJ, Jackson DM, Montgomery C, Kelly LA, Slater C, Grant S, et al. Gasto total de energia e atividade física em crianças escocesas: estudo longitudinal misto. Lancet 2004; 363 (9404): 211-212.

Kelly LA, Reilly JJ, Grant S, Paton JY. Baixos níveis de atividade física e altos níveis de comportamento sedentário são característicos das crianças da escola primária rural irlandesa. Ir Med J 2005; 98 (5): 138-141.

Barros SSH, Lopes AS, Barros MVG. Prevalência de baixo nível de atividade física em crianças pré-escolares. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2012; 14 (4): 390-400.

Wanderley Júnior RS, Hardman CM, Oliveira ESA, Brito ALS, Barros SSH, Barros MVG. Fatores parentais associados à atividade física em pré-escolares: uma importância da participação dos pais nas atividades exercidas pelos filhos. Rev Bras Ativ Fis Saúde 2013; 18 (2): 205-214.

Timmons BW, Leblanc AG, Carson V, Connor Gorber S, Dillman C, Janssen I, et al. Revisão sistemática da atividade física e da saúde nos primeiros anos (de 0 a 4 anos). Appl Physiol Nutr Metab 2012; 37 (4): 773-792.

Tomporowski PD, Davis CL, Miller PH, Naglieri JA. Exercício e inteligência, cognição e desempenho acadêmico das crianças. Educ Psychol Rev 2008; 20 (2): 111-131.

Singh JA, Furst DE, Bharat A, Curtis JR, Kavanaugh AF, Kremer JM. Atualização de 2012 das recomendações do American College of Rheumatology de 2008 para o uso de drogas anti-reumáticas modificadoras de doenças e agentes biológicos no tratamento da artrite reumatóide. Arthritis Care Res 2012; 64 (5): 625-639.

Telama R, Yang X, Leskinen E, Kankaanpää A, Hirvensalo M, Tammelin T, et al. Acompanhamento da atividade física desde a primeira infância até a idade adulta. Med Sci Sports Exerc 2014; 46 (5): 955-962.

Dumith SC, Gigante DP, Domingues MR, Kohl HW 3rd. Mudança da atividade física na adolescência: uma revisão sistemática e uma análise conjunta. Int J Epidemiol 2011; 40 (3): 685-698.

Luiz RR, MMF Magnanini. Uma lógica de determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cad Saúde Colet 2000; 8 (2): 9-28.

Trost SG, PD Loprinzi, Moore R, Pfeiffer KA. Comparação dos pontos de corte do acelerômetro para prever a intensidade da atividade em jovens. Med Sci Sports Exerc 2011; 43 (7): 1360-1368.

Francis SL, Morrissey JL, Letuchy EM, Levy SM, Janz KF. Dez anos de rastreamento objetivo de atividade física: Estudo de Desenvolvimento Ósseo de Iowa. Med Sci Sports Exerc 2013; 45 (8): 1508-1514.

Cain KL, Sallis JF, Conway TL, Van Dyck D, Calhoon L. Usando acelerômetros em estudos de atividade física de jovens: uma revisão de métodos. J Phys Act Health 2013; 10 (3): 437-450.

Lima RA, Barros SSH, Cardoso Júnior CG, Silva G, Farias Júnior JC, Andersen LB, et al. Influência do número de dias e horas válidas usando acelerometria nas estimativas do nível de atividade física em pré-escolares de Recife, Pernambuco, Brasil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2014; 16 (2): 171-181.

Kari JT, Tammelin TH, Viinikainen J, Hutri-Kähönen N, Raitakari OT, Pehkonen J. Atividade física na infância e ganhos na idade adulta. Med Sci Sports Exerc 2016; 48 (7): 1340-1346.

Corder K, Winpenny E, Love R, Brown HE, M branco, Sluijs EV. Mudança na atividade física da adolescência à idade adulta: uma revisão sistemática e uma metanálise de estudos de coorte longitudinal. Br J Sports Med (no prelo).

Caldwell HA, Proudfoot NA, King-Dowling S, Di Cristofaro NA, Cairney J, Timmons BW. Rastreamento de atividade física e fitness durante os primeiros anos. Appl Physiol Nutr Metab 2016; 41 (5): 504-510.

Edwards NM, Khoury PR, Kalkwarf HJ, Woo JG, Claytor RP, Daniels SR. Rastreamento da atividade física medida pelo acelerômetro na primeira infância. Pediatr Exerc Sci 2013; 25 (3): 487-501.

Kelly LA, Reilly JJ, Jackson DM, Montgomery C, Grant S, Paton JY. Rastreamento de atividade física e comportamento sedentário em crianças pequenas. Pediatr Exerc Sci 2007; 19 (1): 51-60.

Pate RR, Baranowski T, Dowda M, Trost SG. Rastreamento de atividade física em crianças pequenas. Med Sci Sports Exerc 1996; 28 (1): 92-96.

Potter M, Spence JC, Boulé N, Stearns JA, Carson V. Rastreamento de comportamento e associações longitudinais de três anos entre atividade física, tempo de tela e condicionamento físico em crianças pequenas. Pediatr Exerc Sci 2018; 30 (1): 132-141.

Taylor RW, Murdoch L, Carter P, Gerrard DF, Williams SM, Taylor BJ. Estudo longitudinal da atividade física e inatividade em pré-escolares: o estudo FLAME. Med Sci Sports Exerc 2009; 41 (1): 96-102.

Jones RA, Hinkley T, Okely AD, Salmon J. Tracking atividade física e comportamento sedentário na infância: uma revisão sistemática. Am J Prev Med 2013; 44 (6): 651-658.

Rauner A, Jekauc D, Mess F, Schmidt S, Woll A. Acompanhando a atividade física em diferentes contextos, desde o início da infância até o início da idade adulta na Alemanha: o estudo longitudinal do MoMo. BMC Public Health 2015; 17; 15: 391.

Sigmund E, Sigmundová D, El Ansari W. Alterações na atividade física em pré-escolares e crianças da primeira série: estudo longitudinal na República Tcheca. ChildCare Health Dev 2009; 35 (3): 376-82.

 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e59242

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.