Associação Entre o Nível de Atividade Física e Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Idosos

Por: Camila Mariani Pereira, Daniel Vicentini de Oliveira, José Roberto Andrade do Nascimento Junior, , Mateus Dias Antunes, Paolo Marcello da Cunha e Priscila Almeida Inhoti.

Lecturas: Educación Física y Deportes - v.25 - n.268 - 2020

Send to Kindle


.Resumo

O presente estudo teve como objetivo investigar a prevalência de doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) e sua possível associação com o nível de atividade física e comportamento sedentário de idosos usuários das Unidades Básicas de Saúde (UBS). Trata-se de um estudo epidemiológico analítico, observacional, correlacional e transversal, realizado com 654 idosos de ambos os sexos, usuários de UBS do município de Maringá, Paraná, Brasil. Foram coletados dados sociodemográficos e de saúde. O nível de atividade física e o comportamento sedentário foi avaliado por meio do International Physical Activity Questionnaire (IPAQ), versão curta. Para a análise dos dados foi utilizado a estatística descritiva e inferencial, por meio dos testes Kolmogorov-Smirnov, Krustal-Wallis e Qui Quadrado, considerando um nível de significância de p<0,05. A hipertensão arterial sistêmica é a DCNT mais prevalente nos idosos (57,9%). Os idosos das UBS com três ou mais morbidades associadas realizam menos dias de atividades moderadas por semana quando comparados com os idosos com nenhuma ou com um ou duas. Conclusão: Baixos níveis de atividade física estão associados à algumas DCNTs (doença do coração, AVC e doença pulmonar) em idosos das UBS.

Referências

Björntorp, P. (1991). Adipose tissue distribution and function. International journal of obesity, 15 (suppl 2), 67-81. Recuperado de: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/1794941/

Brucki, S. M., Nitrini, R., Caramelli, P., Bertolucci, P. H., & Okamoto, I. H. (2003). Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arquivos de Neuropsiquiatria, 61 (3B), 777-81. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S0004-282X2003000500014

Chung, H. Y., Cesari, M., Anton, S., Marzetti, E., Giovannini, S., Seo, A. Y. et al. (2009). Molecular inflammation: underpinnings of aging and age-related diseases. Ageing Research Reviews, 8 (1), 18-30. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/j.arr.2008.07.002

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences (2nd ed.). Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Cohen, J. B. (2017). Hypertension in obesity and the impact of weight loss. Current Cardiology Reports, 19 (10), 98-108. Recuperado de: https://doi.org/10.1007/s11886-017-0912-4

Duncan, B. B., Chor, D., Aquino, E. M., Bensenor, I. M., Mill, J. G., Schmidt, M. I. et al. (2012). Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Revista de Saúde Pública, 46 (Suppl1), 126-134. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017

Folstein, M. F., Folstein, S. E., & McHugh, P. R. (1975). “Mini-mental state”: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of Psychiatric Research, 12 (3), 189-198. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/0022-3956 (75)90026-6

Gómez-Cabello, A., Pedrero-Chamizo, R., Olivares, P. R., Hernández-Perera, R., Rodríguez-Marroyo, J. A., Mata, E., Vicente-Rodríguez, G. (2012). Sitting time increases the overweight and obesity risk independently of walking time in elderly people from Spain. Maturitas, 73 (4), 337–343. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/j.maturitas.2012.09.001

Hojman, P. (2017). Exercise protects from cancer through regulation of immune function and inflammation. Biochemical Society Transactions, 45 (4), 905-911. Recuperado de: https://doi.org/10.1042/BST20160466

Janssen, I., Heymsfield, S. B., Wang, Z., & Ross, R. (2000). Skeletal muscle mass and distribution in 468 men and women aged 18–88 yr. Journal of Applied Physiology, 89 (1), 81-88. Recuperado de: https://doi.org/10.1152/jappl.2000.89.1.81

Kohara, K. (2014). Sarcopenic obesity in aging population: current status and future directions for research. Endocrine, 45 (1), 15-25. Recuperado de: https://doi.org/10.1007/s12020-013-9992-0

Lee, I. M., Shiroma, E. J., Lobelo, F., Puska, P., Blair, S. N., Katzmarzyk, P. T., & Lancet Physical Activity Series Working Group (2012). Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. The Lancet, 380 (9838), 219-229. Recuperado de: https://doi.org/10.1016/S0140-6736 (12)61031-9

Madeira, M. C., Siqueira, F. C. V., Facchini, L. A., Silveira, D. S. D., Tomasi, E., Thumé, E. et al. (2013). Atividade física no deslocamento em adultos e idosos do Brasil: prevalências e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, 29 (1), 165-174. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000100019

Endereço: https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/2060

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.